ESTADÃO: Arquiteto propõe transformar São Vito em sítio hidropônico.

Texto tirado do site – http://www.estadao.com.br

Edifício degradado no centro de SP, em processo de demolição, poderia ser reabilitado para produzir alimento. 19.01.2011

Imagem da proposta para o São Vito.

Em matéria publicada no jornal O Estado de São Paulo, no dia 19 de janeiro, o arq Rafael Gringberg Costa apresenta uma solução para o São Vito, edifício degradado da região central de SP que está em processo de demolição: reabilitá-lo e transformá-lo em uma fazenda vertical, onde seria possível cultivar alimentos como hortaliças e frutas, tudo com uma mãozinha da hidroponia – sistema onde as plantas são produzidas na água com aproveitamento da luz natural.

Quem passa pela Avenida do Estado, na região central de São Paulo, vê os Edifícios São Vito e Mercúrio em processo de demolição. A Prefeitura de São Paulo optou pela demolição dos edifícios, após várias batalhas judiciais envolvendo ex-moradores dos dois prédios. A ideia é que a região seja revitalizada e receba um parque de 5,4 mil m², que ligará o Mercado Municipal ao Palácio das Indústrias, de acordo com a administração municipal.Construído em 1959, o Edifício São Vito possui 25 pavimentos e 600 apartamentos, mais térreo e sobreloja. O Mercúrio, erguido no mesmo ano, tem 26 andares. Ambos os edifícios sofreram degradação com o tempo, transformando-se em dois grandes cortiços, até que a Prefeitura de São Paulo optou pela demolição gradativa – o processo de implosão poderia causar danos aos prédios vizinhos, como o Mercado Municipal.O arquiteto Rafael Gringberg Costa, autor da proposta para transformar os dois edifícios em uma fazenda vertical, afirma que ainda está em tempo de reverter o processo de demolição. Segundo seu projeto, a estrutura dos dois edifícios seria mantida para dar lugar ao cultivo de hortaliças em sistema de hidroponia. “Dá para adaptar o projeto. Seria só o caso de interromper o processo de demolição. Aproveitaríamos as estruturas existentes” diz o arquiteto. Seu projeto prevê ainda uma escola e laboratórios ligados ao cultivo em sistema de hidroponia, restaurante panorâmico e um estacionamento.”Poderíamos ter vagas especiais para carros híbridos, elétricos ou a hidrogênio”, diz, apostando em um futuro de energias mais limpas.Agricultura urbana. Na avaliação de Paulo Pellegrino, professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP), o uso de áreas abandonadas nas grandes cidades para agricultura é uma tendência que vem ganhando adeptos no mundo todo e pode ser uma solução para São Paulo.“É possível cultivar hortaliças e ervas, por exemplo, nas lajes de habitações populares ou em terrenos baldios”, diz. “Está dentro de uma tendência de cultivo dos alimentos próximos ao centros de consumo, de um retorno às hortas no quintal”, afirma o urbanista.

Andrea Vialli – O Estado de S.Paulo

Deixe seu comentário:

O que acha sobre a demolição do São Vito?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s